terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

Coisas que destrói ou edifica uma família: Tudo começa pela inversão de valores?

                     
Texto: "Apanhai-nos as raposas, as raposinhas, que fazem mal às vinhas; pois as nossas vinhas estão em flor." Cantares 2:15

Um pai pode dizer ao filho: "Eu sei que isso não é sua responsabilidade, mas esta é a ajuda que precisamos agora." É um chessed um ato de bondade o filho ajudar aos pais.

SERÁ QUE OS PAIS AINDA PODEM DISPOR DA AJUDA DE UM FILHO?

A inversão de valores tem sido uma das grandes responsáveis por tanto desequilíbrio da família no Brasil e no mundo. Podemos observar que as situações estão indo de mal a pior, de natureza que, a boa convivência clama por socorro, as causas sociais a cada dia tornam-se insolúveis; conserta-se de um lado, enquanto do outro desarruma; todos procuram alguém para colocar a culpa, mas ninguém se aponta como culpado.
Ao longo dos anos, a sociedade - a família  vem se mostrando mais receptiva às mudanças e conceitos propagados pela mídia de um modo geral. Esta é uma geração consumidora de informações, mas que não aprendeu reter o que é bom e lançar fora o que não se aproveita; pelo contrário, a família  moderna  tem se alimentado das espinhas do peixe e tem lançado a carne maciça no lixo; isso é resultado de tanta falta de discernimento e desequilíbrio entre os grandes grupos sociais.

A olhos vistos, dia a dia está sendo colocada para as classes mais jovens uma ideia de que eles são os donos da situação, ou seja, eles estão certos, e ninguém mais está; o conceito de liberdade vai sendo aplicado de forma equivocada. Para muitos, ser livre significa infringir as leis e viver uma anarquia social. É quando entra em questão o relativismo, onde muitos se baseiam quando praticam o que é errado, onde o erro está condicionado às causas. Entretanto, furtar sempre será um crime, mesmo que seja para saciar a própria fome; e essa teoria perigosa vem colocando as pessoas em situações complicadas, onde filhos só respeitam os pais parcialmente, ou seja, os pais só merecem respeito se fizerem apenas a vontade dos filhos, caso contrário, não devem ser respeitados. A ajuda aos pais e aos filhos , que outrora era uma questão de honra e moral, está cada vez mais sendo transformado em atitudes mercenárias. Pais cobrando de filhos e filhos cobrando de pais nas atividades domiciliares.

Muitos filhos querem assumir o lugar dos pais, porque julgam que o tempo deles foi outro e que eles não sabem de nada. Observemos que nesses últimos anos tem se propagado uma filosofia de contravenção, jovens e adolescentes se envolvendo em situações que são consideradas crimes pequenosque em muitos casos é resolvido com pagamento de multas. E isso causa uma segurança para o infrator que tem dinheiro, pois julga que o seu problema se resolverá facilmente.

A sociedade moderna tem seguido rigorosamente uma ideologia sofismática. Pois existem grupos que admiram as pessoas “espertas”, mas dentro dos valores invertidos, a esperteza está vinculada com o mau caráter; onde o bom é colocado como mau, e assim por diante; a moça que não entrega-se ao sexo antes do casamento e a luxúria juvenil é taxada de “careta” ou “quadrada; o rapaz que não lança a sua vida no vício das drogas é chamado de bobo, enquanto os inteligentes não são os que alcançam “nota 10” nas escolas, mas sim, os que usam drogas lícitas e ilícitas; enquanto isso, aqueles que procuram fazer o que é correto são satirizados no meio da turma. Isso é reflexo da inversão de valores.

Mas ainda há possibilidades de transformação, mas para isso acontecer é necessário que cada um reconheça o seu lugar, em todos os segmentos sociais, em diversos grupos com diferentes ideologias, é preciso respeito com as causas para que os efeitos não surpreendam a todos.

A  FAMÍLIA E FÉ  X  INVERSÃO DE VALORES

Na sociedade contemporânea, temos observado violências, psicológicas, física e sexual, consumo de droga, pornografia e dentre estes problemas o que está destruindo as famílias? A inversões de valores? O que temos observado é que se valoriza mais as coisas do que as pessoas; mas o dinheiro  do que os relacionamentos; mais o ter do que o ser. Essa inversão de valores está  afetando a fé.  Estamos adorando mais as coisas do que a Deus, o que na verdade deveríamos adorar a Deus , amar as pessoas e usar as coisas.

A família que o nosso maior tesouro, nosso melhor patrimônio está sendo colocado em segundo plano com relação às coisas ( estudos, mestrados, trabalhos, etc). Adianta ajuntar dinheiro e perder a família e dissolver um casamento. Os trofeus ganhos fora do lar tem importância? Que adianta conquistar trofeus fora do lar, e sofrer a derrota dentro de casa. Veja Davi, Davi chorou quando viu sua família nas mãos do inimigo.

Comparando as famílias de anos anteriores e as de hoje, chegamos a conclusão de que existe uma inversão de valores tão oposta que é impossível não se comentar. Talvez tenha sido conveniente algumas mudanças, principalmente no que se diz respeito aos costumes éticos, morais e religiosos, mas o verdadeiro sentido do "ser" ou da "liberdade" estão de ponta cabeça.

O homem necessita de padrões de conduta, limites e princípios religiosos para se formar como ser humano equilibrado. A ausência dos valores torna as pessoas perversa e insegura, perdendo a capacidade de discernir entre o certo e o errado. Esses valores invertidos encobrem a essência do ser humano, na formação de seu caráter. Por outro lado, assusta um pouco, a velocidade em que os pais se adaptaram às mudanças, chegando a ser tolerantes com as ousadias dos filhos em fazer coisas que em outra época seria abominável.

Os pais, escolhem ser bonzinhos, compreensivos, mas omissos da responsabilidade de "educar". Colocam seus filhos em situação de risco em meio a tantas liberdades (para beber, comprar, divertir, etc.) quando aceitam os disparates da troca de valores quietos e sem protestos; se sentem perdidos, sem saber como agir em algumas circunstancias e muitas vezes se sentindo culpados por não conseguirem ter domínio sobre seus próprios filhos.

Os tempos mudaram, mas é comum ver jovens fazendo de seu carro uma arma, chegando de manhã em casa embriagados, e seus pais fingem que aceitam mas ficam angustiados, pois, sabem que seus filhos estão buscando a felicidade, e assim, nada é proibido nem errado, tudo é normal.

Antes os pais eram rígidos, tinham tempo para vigiar os filhos, tinham um certo controle sobre eles, às vezes pelo medo ou pelo respeito de fato, mas o domínio sobre eles era certo. A educação era machista. Não se proibia os preconceitos, não se defendia os direitos. Agrada em perceber que a sociedade tem evoluído muito nesses aspectos mas às vezes sem medida!

Hoje, as crianças/adolesçentes se vestem como adultos e os velhos se vestem como jovens, e jovens que se portam como fossem capazes de assumir a total conseqüência de seus atos, e os pais, se portam como crianças, quando obedecem aos filhos, sem autoridade nenhuma. Eles e os avós precisam ajudar a criar os filhos ou netos. Muitas vezes, os avós se tornam os pais dos netos, e os pais são como irmãos dos filhos, por serem muito jovens.

A família está confusa. Os pais se separam, e se revezam em dar atenção aos filhos, e esses, aprendem que casamento é temporário, ou seja, pra que casar, dura enquanto durar a paixão, se não der mais, " parte para outra".

A família está perdendo o sentido da união, da solidariedade, do apoio, da estrutura, do ensinamento, dos princípios morais e até mesmo religiosos.

O valor de um homem se mede pelos bens que ele possui e não pelo seu caráter e assim por diante. Observamos que tudo que era certo hoje é errado, e tudo que era errado, hoje é certo. A modernidade se sente só, vive seu egoísmo ausente da comunidade, sem ânimo para fazer um círculo de amizade; correndo o risco de deixar a existência se tornar instintiva e sem razão de ser.

Analisar as inúmeras situações dessas inversões de valores não é difícil, mas o foco dessa reflexão é conscientizar que o mundo poderá acabar na falta do "ser" humano." Se as famílias perderem o valor do convívio mútuo, a sociedade poderá conviver com com seres humanos selvagens, onde os "espertos" sobrevivem e sem as famílias, torna-se impossível uma vida saudável.

Refletir em nossos atos buscando o equilíbrio é necessário. Os nossos filhos precisam de muita conversa e orientação. Não se deve desistir diante o cansaço. O desânimo é o maior mal. O homem precisa entender que para ser feliz precisa ser livre da escravidão do "ter" e que as regras e limites é um meio para ficar em paz consigo mesmo e com a sociedade. Na família iniciamos esse aprendizado, e se o homem ama o próximo, poderá se sentir feliz, pois quem se sentir amado retribuirá com amor e respeito também.

Um futuro melhor, consiste na liberdade de pensar e agir mas com respeito ao outro, à natureza e consigo mesmo. A família continua sendo uma escola para o ser humano e nunca poderá se perder, nisso está o equilíbrio.

A FAMÍLIA E A IGREJA  X INVERSÃO DE VALORES

O Texto: "Apanhai-nos as raposas, as raposinhas, que fazem mal às vinhas; pois as nossas vinhas estão em flor." Cantares 2:15 pode nos ajudar a enter este contexto.

Inverter valores é perigoso! Famílias Fortes, Igrejas Fortes de Wayne Grudem e Dennis Rainey, relata Pequenas coisas que edificam ou destroem os casamentos. No texto Percebi que seus argumentos também podem ser aplicados a alguns pontos da vida familiar. Tomando por base esses argumentos iremos tratar sobre algumas problemasque as famílias estão enfrentando que geralmente são negligenciados ou menosprezados. Se os membros da família não atentarem para o cotidiano e pensar um pouco sobre como estão agindo, serão minados e quando menos perceberem estarão com a casa em “ruínas”.

Usando as palavras de Grudem e Rainey: Sãos as coisinhas pequenas, que Salomão define como raposinhas (Ct 2:15), que podem entrar sorrateiramente no relacionamento familiar e causar sério dano. De forma despercebida e silenciosa, mas eficaz, elas destroem o tecido tênue, as videiras e uvas tenras de nosso relacionamento, cuja saúde é essencial para um casamento (ou lar) feliz e gratificante.

O Texto de Cantares as raposinhas” são invasoras indesejáveis que invadem sorrateiramente o lar e podem assim destruir a harmonia e firmeza dos laços familiares. A imagem usada por Salomão reflete as vinhas que eram cercadas por muros para se protegerem das raposas que gostavam de entrar nas vinhas e se alimentarem com seus frutos ainda tenros. Quando o proprietário se descuidava as conseqüência poderia ser a de ter sua vinha destruída. Pela mesma forma são os pequenos buracos, as insignificantes brechasdeixadas nos muros de nossas famílias que podem causas grandes estragos.

I - INVERSÃO DE VALORES - A família enfrenta problemas quando os valores no lar são invertidos ou desrespeitados.

1) Inversão dos valores espirituais - A recomendação Bíblica é pensar “nas coisas que são de cima, ou seja, reconhecer que valor eterno é o verdadeiro e primeiro. Os valores terrenos não podem suplantar as coisas espirituais.

2). Inversão dos Valores de autoridade - A família passa por uma crise de autoridade. Filhos não querem obedecer seus pais, filhos cobrando para ajudar os pais, pais cobrando juros quando emprestam.  Não se ajudam por questão moral e por que esta em família, o dinheiro fala mais alto. Marido e mulher vivem conflitos para saber quem “manda”. Conjuges omitido informações e passando a mão nas cabeças de filhos  tornando homens e mulheres frágeis e inseguros.  Nesses desajustes fica evidente a escuridão que se encontram determinadas famílias. Esta inversão de autoridade no lar tem afetado a sociedade. Não se repeita mais as instituições, os mais velhos, normas, etc. Se há reconhecimento de autoridade na família o reflexo disso será uma sociedade mais justa, pessoas mais respeitadas e normas sendo cumpridas. Se não há respeito a autoridade no lar o que se dirá então fora.

II - PROBLEMAS DE COMUNICAÇÃO - A família enfrenta problemas quando não se alimenta de comunicação regular e genuína.

1) Falhas na Comunicação
Com a vida corrida, Pais e filhos perdem a cada dia o diálogo. Tudo é justificado por alguma circunstância e assim não se investe na comunicação no lar. Fora são educados e pacientes, em casa, ao contrário do que se espera, descarregam suas frustrações, estresses nos filhos, nos cônjuges e nos pais de tal forma que distanciam-se ainda mais um do outro. Além disso a TV, celulares, o trabalho, as atividades na igreja, tornam-se muros nessa comunicação. Veja a seguir alguns pontos sobre falha na comunicação:Falha no dever de ser um modelo consistente; Falha na admissão do erro; Falha por não dar respostas certas a perguntas honestas; Falha no incentivo ao jovem para desenvolver sua identidade pessoal; Falha em saber o que está por trás da aparência, quais são as coisas importantes; Falha em demonstrar aprovação e aceitação; Falha ao desaprovar os amigos do seu filho, sem qualquer esforço para conhecê-los; Falha em dar ao jovem o direito de fracassar; Falha no diálogo com os filhos sobre assuntos delicados; Falha na administração de tempo;

Percebemos por estes pontos que as formas de se comunicar no lar precisam ser revistos, pois precisam estar encharcados de amor e respeito pelo próximo. A forma como se fala, os gestos, a entonação da voz, a veracidade do que é falado, tudo isso será fator importante para se estabelecer uma comunicação sadia.

2) Uma boa comunicação
É preciso ter uma palavra temperada e branda (Pv 15:1; Cl 4:6). Saber falar e como falar. Ouvir o que o outro está dizendo e compreendê-lo também é essencial. Não saia correndo. Não deixe pra depois. Use das oportunidades que tem e desenvolva o hábito de ouvir. Tire tempo para este exercício entre família. Uma boa comunicação também precisa estar marcada de amor e compreensão. Atitudes de amor, respeito e humildade deve ser constante na família que queira viver bem. (ver: Fl 2:3; 1 Pe 3:8)

III - PROBLEMAS COM TEMPO - A família enfrenta problemas quando forças ou pessoas de fora da família invadem o tempo do lar.

O Fator tempo tem sido um dos inimigos das Famílias. A vida frenética, as distâncias e fatores como a escola, amigos, e até mesmo a TV  e computadores são algumas das muitas áreas que precisam ser equilibradas no tempo da família. Muitas já não colocam o tempo juntos como sendo essencial. Famílias precisam aprender a construir uma história juntos. Precisam compartilhar das experiências e para isto tem que ter tempo. Deve-se ter equilibro pois conforme a Palavra de Deus nos diz há tempo para todo propósito debaixo do céu (Ecl 3:1) Nosso desafio é saber aproveitar melhor o tempo.

1) Tempo deve ser investido na família - Investimento. Esta creio ser a melhor Palavra. Em Dt 6 a ordem dada é que os filhos sejam ensinados sobre a lei do Senhor em todas as circunstâncias e tempos. Aproveitar cada acontecimento, cada momento para investir na formação da criança. Além disso, é preciso investir no tempo entre o casal. Cônjuges precisam ter o seu tempo para desfrutarem um do outro.

2) Tempo dedicado a família indica prioridade - O que é importante vem em primeiro lugar. Assim, quando filhos esposa (o) sãos colocado em segundo plano, ou não são priorizados a idéia que logo vem à mente é de que não são os mais importantes. O que se aprende pela Palavra de Deus é que família é uma dádiva de Deus para o homem e a mulher. Muitos não percebem que a família é importante apenas quando a está perdendo. Antes que outros ocupem o espaço que é teu, e o tempo que é teu, priorize sua família.

3) Tempo dedicado a fazer a vontade de Deus - Pedro diz que o tempo que nos resta na “carne” deve ser dedicado em fazer a vontade de Deus. Uma família deve ser ensinada a estar procurando fazer a vontade de Deus (1 Pe 4:2). A “ter” tempo para Deus. Isto precisa ser feito nas apenas quando a família vai a igreja mas também no lar. Outra exortação é a de Paulo que diz para estar orando em todo o tempo. (Ef 6:18). Isto no leva a pensar no tempo que as famílias dedicam para o culto doméstico. Qual o tempo do nosso lar esta sendo dedicado para adorar e ensinar sobre Deus?

IV- PROBLEMAS DE DESENTENDIMENTO - Famílias enfrentam problemas quando não existe compreensão, valorização e respeitos uns com os outros.

Quantos desentendimentos estão acontecendo nas famílias. Reivindica-se o direito, a razão e a prioridade. O resultado dessas atitudes são famílias com feridas profundas, marcadas por histórias tristes e crises nos relacionamentos familiares

a) Membros da famílias precisam se compreenderem mais. - (I Pe 3:8,9) Ser mais tolerante com os filhos. Filhos aceitarem a autoridade dos pais. Cônjuges buscar amor e respeito. Compreender quando não dar para comprar o que gostaria, compreender quando não dá pra fazer a viagem que desejava, compreender algumas atitudes que muitas vezes são frutos do estresses e da pressão do cotidiano. Esposos (as) serem mais compreensivos uns com os outros.

b) Membros da Família precisam se perdoar - Não existe perfeição. Enquanto estivermos aqui continuaremos tendo nossas falhas. Daí nasce a necessidade que em cada família exista a atitude valorosa do perdão (Lc 6:37). Para que se possa viver juntos é preciso aprender a perdoar. Não nos esqueçamos que perdoar é um requisito básico para que Deus também nos perdoe (Mt 6:12). Perdão trás a reconciliação, a paz e a alegria novamente para o lar. Além disso, numa família onde está presente o perdão os relacionamentos se tornam mais forte e existe união.

c) Membros da família precisam evitar interferência externa - A família enfrenta problemas quando necessidades pessoais e reais estão sendo supridas mais fora do lar. Quando não encontra-se segurança no lar busca-se , ainda que de forma errada, esta segurança em outros lugares como: amizades, trabalho, bebida, drogas... Muitos maridos (ou esposas) não se realizam com suas famílias. Não procuram construir juntos. O resultado é uma família fragmentada cujos membros não possuem vínculos. Estão na mesma casa mas não partilham dos sonhos, das alegrias, da vida do lar.

Em suma,

Num mundo dominado pela Ciência e pela tecnologia, o homem mergulhou muito no concreto e perdeu um pouco de sua vida espiritual, de sua fé. Mas ela continua existindo. E pode lhe dar forças para enfrentar essas transformações e torná-las positiva. É preciso que cada um procure os verdadeiros valores dentro de si. Todos sabemos o que é certo e o que é errado.

Mais do que nunca, é necessário fortalecer as sementes boas. Elas germinarão. Nós reclamamos dos erros dos outros, mas não consertamos os nossos. E é por aí que devemos começar. Vencendo o egoísmo, poderemos fazer coisas boas em benefício da coletividade. Elas acabarão recaindo sobre nós. Basta que respeitemos os nossos princípios, tenhamos firmeza em nossas crenças, valores e demonstremos isso em nossos atos concretos. Essa deve ser a contribuição de cada um para um mundo melhor. Não se iludam, existe cônjuge que olha para o seu parceiro e diz: deixa é a modernidade! É aí que as raposinhas infiltram e destrói.

Quantas pessoas acham bobagem, e não dão importância ao tempo que dedicam a família, as palavras que profere, as atitudes que tem para com cada um dos entes queridos. Acham que é obrigação das família aceitarem eles dessa forma. Estas coisas vão se tornando em grandes problemas pela falta de vigilância. As raposinhasrepresentam as falhas” as “palavras, as “atitudes” que parecem ser tão insignificantes, mas, no entanto, sem elas o muro da casa pode cair, e a destruição chegar quando menos se esperar.